Santiago: a capital que você ainda vai conhecer

Santiago

Santiago tem um grande trunfo: a Cordilheira dos Andes ao fundo de seu skyline

Nos últimos 10 anos, o brasileiro viveu o que eu chamo de “Febre de Buenos Aires”. De repente, todo mundo foi ou planejava ir à bela e estilosa capital argentina. A desvalorização do peso em relação ao real, somado ao charme um tanto decadente, tornaram a cidade irresistível. Pois o tempo passou e outra cidade começa a ser o novo centro de atenções. Não chega ainda a ser uma febre, mas Santiago enfim entrou no campo de visão do turista brasileiro.

Antes de fazer as malas e traçar um roteiro, é preciso ter em mente que Santiago é bem diferente de Buenos Aires. A capital chilena tem seus momentos de charme, mas não se compara à sua colega. Ela é mais rústica, mais latina e menos europeia. Mas é igualmente deliciosa de percorrer a pé, por ser plana.

Santiago tem a seu favor um aspecto que deve ser levado em conta: está aos pés da Cordilheira dos Andes. Portanto, tem como cartão postal nada menos que uma cadeia de montanhas nevadas, fazendo fundo a seu skyline.

Outra grande vantagem: está a uma distância pequena do litoral (destaque para Valparaíso e Viña del Mar) e das grandes áreas de vinícolas, como os vales Central e do Colchagua. A uma distância razoável estão a Patagônia, ao sul, e o Deserto do Atacama, ao norte.
O grande senão da cidade é seu custo: Santiago é cara, quase no mesmo padrão de São Paulo. Com a desvalorização recente do Real, o câmbio fica ainda mais desfavorável.

Quando ir

Santiago

Santiago é uma cidade de clima muito seco. Compre hidratante e bastante água

A ligação entre temperatura e umidade em Santiago obedece a uma lógica diferente da registrada no Brasil: lá, as chuvas caem com maior freqüência no período mais frio, entre maio e setembro. E mesmo assim, não chove muito: a média pluviométrica anual é de 300 mm por ano (a média de São Paulo é 1.442mm e do Rio é 1.069mm).

Se no inverno a chuva já é escassa, no verão o clima é pra lá de seco. Visitar a cidade ao final do ano é uma boa pedida, mas é recomendável tomar todas as precauções devidas: levar hidratante para a pele e lábios, usar chapéu etc.

Ah, e não saia de casa sem um bom estoque de água: não bastasse o clima superseco, Santiago é uma cidade onde bebedouros são artigo raríssimo. Não se encontra sequer em shopping centers ou terminais rodoviários.

Chegando do aeroporto

Santiago

Os ônibus da Turbus levam do aeroporto ao centro da cidade

O Aeroporto Internacional de Santiago não possui linhas de trem ou metrô rumo ao centro, mas há várias outras opções de acesso à cidade. A mais barata é de ônibus: uma passagem pela Turbus até o Terminal de ônibus Alameda (ao lado do metrô Universidad de Santiago) custa 1.700 pesos (menos de R$ 10). A companhia Centropuerto vai até o metrô Los Héroes (no centro) por 1.600 pesos e a passagem de ida e volta sai por 2.800.

Os táxis são bem mais caros e a corrida até o centro da cidade não sai por menos de 15 mil pesos chilenos. Uma opção mais em conta são os transfers: a Transvip leva do aeroporto até a região central por 20 mil, em veículos para até 7 pessoas. Dá pra rachar a viagem e economizar.

Transporte

Santiago

Metrô de Santiago é extenso e cobre toda a cidade

A melhor opção para trafegar em Santiago é mesmo o metrô. A cidade tem uma rede ampla: são ao todo 94 quilômetros, mais que os 78 de São Paulo, que tem mais que o dobro da população da capital chilena.

O preço das passagens varia de acordo com o horário: são três faixas de preço (Punta, Valle e Bajo). A mais cara custa 740 pesos e é reservada aos horários de pico (das 7h às 8h59 e das 18h às 19h59). Se comprar bilhetes com antecedência, fique atento ao horário: um bilhete do Horário Bajo, por exemplo, não pode ser usado nos outros horários.

A Linha 1 é a que você certamente usará com maior frequência: ela corta a região central da cidade (incluindo o Palácio La Moneda), os bairros Lastarria, Providência e El Golf. Essa linha também leva às proximidades do Parque Metropolitano e à região do Arauco.

Onde ficar

Santiago

El Golf e arredores estão entre as áreas mais agradáveis da cidade

A região mais agradável para se hospedar em Santiago é no eixo que compreende os bairros Lastarria-Providência-El Golf. Elas ficam entre dois grandes corredores viários: o primeiro compreendido pelas avenidas Libertador Bernardo O’Higgins, Providência e Apoquindo e o segundo pelas avenidas Andrés Bello e Presidente Kennedy.

Lastarría fica entre o Cerro Santa Lucia e o Parque Florestal. É uma espécie de Vila Madalena menos muvucada e ainda mais cool e democrática: ela abriga ripongas, estudantes, a galera da noitada e até famílias: os pais levam os filhos para se divertir no Parque Florestal, onde uma ótima estrutura é montada aos sábados.

Santiago

Lastarría, Providência e a região central oferecem boas opções de hospedagem

Alguns quilômetros a leste, chegamos ao bairro de Providência, região charmosa e conhecida pelo seu agitado centro comercial e polo gastronômico. El Golf é conhecida pela grande rede hoteleira e o complexo financeiro. Por tudo isso, vem sendo chamada de “Sanhattan”, em alusão à ilha novaiorquina.

No centro, vale a pena ficar na região do Palácio La Moneda, dada a proximidade com este e outros pontos turísticos, como o Mercado Central e a Plaza de Armas. No entanto, essa região não é tão agradável para sair à noite, quando as ruas ficam vazias.

O que visitar em Santiago

Santiago é uma cidade compacta. As principais atrações estão relativamente próximas umas das outras. Quase todas estão ao alcance das estações de metrô, o que ajuda consideravelmente os deslocamentos.

Abaixo, listamos as principais atrações, as imperdíveis e algumas boas sugestões para fugir do trivial:

Palácio La Moneda

Santiago

O palácio presidencial fica no coração da cidade

O Palácio La Moneda é a sede do poder executivo. Ou seja, onde despacha a presidente da República, Michelle Bachelet. Tem esse nome porque foi projetado, ainda no século 18, para abrigar a Casa da Moeda. Ficou tristemente célebre pelo bombardeio sofrido em 1973, no golpe de estado que resultou na queda de Salvador Allende e na ascensão do sanguinário ditador Augusto Pinochet. O presidente deposto ganhou uma estátua em uma via lateral do edifício. É possível visitar o palácio: informe-se no site.
COMO CHEGAR: Estação La Moneda do Metrô (Linha 1)

Mercado Central
O edifício, de estilo neoclássico, foi construído no século 19 para ser um centro de exposições de artistas nacionais. No entanto, teve seu destino alterado em 1872. Se você gosta de peixes e frutos do mar, este é o melhor lugar para conhecer o que a cozinha chilena tem a oferecer, como os caldillos de congrio e as pailas marinas.
COMO CHEGAR: Estação Cal y Canto do Metrô (Linha 2)

Plaza de Armas

Santiago

Na Plaza de Armas, prédios históricos e crianças pirando

Como toda cidade colonial da América Espanhola, o marco zero e centro nervoso da cidade é a Plaza de Armas. Com Santiago não poderia ser diferente: foi neste ponto que a cidade foi fundada, em 1541. Nesta praça se encontram a Catedral Metropolitana, o Correio Central e o prédio da Prefeitura de Santiago, além do Museu Histórico Nacional
COMO CHEGAR: Estação Plaza de Armas do Metrô (Linha 5)

Centro Cultural Estação Mapocho
Um dos mais importantes pontos de cultura de Santiago, o Centro Cultural Mapocho foi erguido em uma antiga estação de trens. O edifício foi construído em 1910 para celebrar o centenário da República. Em 1987 foi desativada e ficou abandonada até 1991, quando ganhou seu papel atual. Exposições, shows, oficinas e muito mais podem ser conferidos neste belíssimo local.
COMO CHEGAR: Estação Cal y Canto do Metrô (Linha 2)

Cerro San Cristóbal

Santiago

O Santuário de la Inmaculada Concepción é agradável e oferece uma bela visão da cidade

Trata-se de uma elevada montanha, encravada em pleno perímetro urbano de Santiago, aos pés do bairro Bellavista e ao norte do rio Mapocho. Com mais de 800 metros de altura, oferece visões belíssimas da cidade e também dos arredores. É outro lugar perfeito para contemplar os picos nevados da Cordilheira do Andes.

Aqui estão localizados alguns dos mais importantes pontos turísticos da cidade. Um deles é o Parque Metropolitano: com seus mais de 700 hectares, é um dos maiores parques urbanos do mundo. Também no Cerro San Cristóbal estão sediados o Jardim Zoológico, com grande variedade de animais andinos, o Parque Bicentenario de La Infancia e suas inusitadas atrações para crianças, e o Santuário de La Inmaculada Concepcion, onde foi erigida uma estátua de 14 metros de altura, contando-se o pedestal. No anfiteatro são realizadas várias missas, inclusive a de Natal, realizada à noite e que proporciona um visual inesquecível.
COMO CHEGAR: Estação Baquedano do Metrô (Linhas 1 e 5) ou ônibus linhas 116 e B15. O acesso ao Parque Bicentenário de La Infancia é feito pela estação Cerro Blanco (Linha 2)

Sky Costanera
Este é nada menos que o edifício mais alto da América Latina, com 300 metros de altura, oferece uma vista de 360 graus da capital chilena. A torre é erguida sobre um grande shopping. O mirante funciona de segunda a domingo, das 10 às 22 horas, sendo que o último elevador sobe às 21 horas. Nos dias úteis, a entrada custa 5 mil pesos para adultos, 3 mil pesos para crianças e 4 mil para idosos. Nos finais de semana, sobem respectivamente para 8 mil, 5 mil e 5,5 mil pesos.
COMO CHEGAR: Estação Tobalaba do Metrô (Linhas 1 e 4)

Patio Bellavista

Santiago

Barzinhos, lojas e músicas lhe esperam no Patio Bellavista

O Patio Bellavista é um interessantíssimo centro comercial nas proximidades do Cerro San Cristóbal. Descolado, abriga livrarias, lojas de artesanato e de souvenires, além de bares, lanchonetes e restaurantes e ainda um espaço cultural, onde rolam alguns shows. Um ótimo lugar para tomar um pisco sour. A rua Pio Nono, onde está um dos acessos à galeria, tem restaurantes para todos os gostos.
COMO CHEGAR: Estação Baquedano do Metrô (Linhas 1 e 5)

Estádio Nacional
O estádio que sediou a final da Copa do Mundo de 1962, em que o Brasil se sagrou bicampeão mundial, ficou tristemente marcado como local de prisão, tortura e morte de dissidentes políticos durante a ditadura de Pinochet. Mais de 40 mil pessoas foram levadas ao local pela polícia política do ditador. Hoje, o local abriga um memorial que lembra esse terrível período. Para quem está mais interessado em futebol, vale conferir uma partida da seleção chilena ou da Universidade de Chile, que manda seus jogos lá.
COMO CHEGAR: Estação Ñuble do Metrô (Linha 5) ou ônibus linhas D13 e 511

Parque Araucano/Shopping Arauco

Santiago

Os jardins do Parque convidam ao relaxamento

O Parque Araucano é um dos lugares mais agradáveis de Santiago. Ao contrário do Parque Metropolitano, fica ao nível da cidade, mas mesmo assim oferece alguns pontos de visão belíssimos da Cordilheira dos Andes. Com seus 22 hectares, possui borboletário, um roseiral (como em Buenos Aires), aviário, campos de futebol e quadras poliesportivas, além de uma unidade do KidZania, o já famoso centro de entretenimento infantil. Ao lado do Parque, está o mais elegante shopping da cidade, o Arauco. Aqui estão as lojas mais luxuosas e caras de Santiago, além de um belo boulevar, ligando os vários prédios que formam o complexo comercial.
COMO CHEGAR: Estação Manquehue do Metrô (Linha 1) ou ônibus Linhas C20, C11 e C15

Museu de Direitos Humanos
O Museu da Memória e Direitos Humanos está localizado junto a um complexo de museus, que inclui o Ferroviário, de História Natural e o de Ciência e Tecnologia. Mas quem se interessa por história vai se interessar. O local traz, além de exposições temporárias e permanentes, espaço multimídia e muitos documentos sobre a luta pelos direitos humanos e as constantes violações no Chile, especialmente durante a Ditadura de Pinochet.
COMO CHEGAR: Estação Quinta Normal do Metrô (Linha 5)

Concha y Toro

Santiago

A vinícola é próxima de Santiago e pode ser visitada num bate-e-volta

Uma das mais conhecidas vinícolas do mundo, a Concha y Toro é um patrimônio chileno muito conhecido dos brasileiros. A sede fica no município de Pirque, na região metropolitana de Santiago, e está a um metrô e um ônibus do centro, em uma viagem de pouco mais de uma hora e meia. É possível agendar uma visita para conhecer as vinhas e também acompanhar o processo de armazenagem e produção dos vinhos, além de degustar alguns vinhos, claro! Lá você também saberá da lenda que batizou um dos rótulos mais famosos da companhia, a Casillero del Diablo.

COMO CHEGAR: Estação Las Mercedes do Metrô (Linha 4) e depois linha de ônibus Metrobus 73, 80 ou 81.

Confira um roteiro completo por Veneza no novo livro de Ana Grassi, especialista em Itália

Related Post

30 thoughts on “Santiago: a capital que você ainda vai conhecer

    1. Érica França

      Que bom, Felipe. Publicaremos novos posts de Santiago, dá uma passada aqui com frequência. Obrigada pela visita!

  1. Liliane Inglez

    Fui para Santiago há muito tempo! Gostaria de voltar. Certamente teria outro olhar para a cidade! Adorei as dicas! Ótima seleção de passeios!
    Você chegou a conhecer o Restaurante Giratório? Me indicaram e eu gostei muito!
    Beijos!

  2. Simone Hara

    Santiago é uma das cidades na américa Latina que está na nossa wishlist faz tempo! Já tivemos algumas tentativas de ir pra lá, mas que por imprevistos acabaram não acontecendo.
    Gostei muito das dicas no post!

  3. Guaciara

    Voce so disse verdades nesse post, concordo demais com a tal febre de Buenos Aires! E Santiago e bela demais, a cordilheira ao fundo e puro charme! Muito bom seu post, vou comparilhar la na pagina do Passeiorama no FB! Bjs!

  4. Flávia Donohoe

    post completíssimo sobre Santiago, deu muita vontade de voltar! Já fui a Santiago 3x em diferentes épocas e me apaixonei pela cidade todas as vezes, a cidade é bem democrática e uma das coisas que mais gosto por lá são a história da cidade, o povo chileno que é um amor e o rock chileno! abraços

    1. Fábio Mendes Post author

      Eu não conheço quase nada de rock chileno e dessa vez acabei não indo para nenhuma loja de discos, coisa que sempre faço em uma cidade nova. Da próxima vez vou tentar procurar algo de lá. A cidade é bem bacana e pretendo voltar logo. Abraços!!!

  5. Danielle Bispo

    Oie
    Conheço as duas capitais (Santiago e Buenos Aires) e acho que cada uma tem seu charme. Como vc mesmo disse, Santiago é mais latino e menos Européia. Particularmente acho que a vista que toda cidade tem da Cordilheira dos Andes a coisa mais linda desse mundo.
    bjs
    Dani Bispo
    abolonhesa.com

    1. Fábio Mendes Post author

      Ficamos encantados com a visão dos Andes ao fundo. Pena que no verão o tempo é seco e a poluição atrapalha um pouco a visão. Mesmo assim, é lindíssimo!!!

      Beijos!

  6. angela sant anna

    a cidade é muito bonita, porém tem que tomar muuuito cuidado na rua e no metrô, os chilenos são beeem rápidos e mão leve.
    usei o centropuerto para ir do aeroporto até o metro, achei rápido e confortavel, recomendo!!!

    1. Fábio Mendes Post author

      O Centropuerto é uma ótima pedida, mesmo. E tomamos muito cuidado com os batedores de carteira, porque também nos falaram bastante deles. Mas não passamos nenhum perrengue nesse sentido, felizmente.

  7. Itamar Japa

    Estive 2 vezes em Santiago, mas em ambas não conheci praticamente nada e fiquei só com os amigos chilenos (na verdade conheci muitos bares). Preciso voltar urgente. Tenho certeza que é um destino incrível pra explorar…

    1. Fábio Mendes Post author

      Conhecer muitos bares é uma ótima forma de aproveitar uma viagem. Principalmente se for bares onde vão os locais, menos turísticos. Mas quando for retornar a Santiago, aproveite para visitar o resto da cidade. Vale muito a pena. Abraços!

    1. Fábio Mendes Post author

      É uma cidade bem peculiar, Catarina. Dá pra sentir a alma do chileno em cada rua. Quando puder, venha para esses lados e conheça. 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial