O que você precisa saber em sua primeira viagem à belíssima cidade de Florença

Florença

Tanta beleza, arte e história deixaram Stendhal com vertigens. Por isso, prepare-se!

Berço do Renascimento, lar de Leonardo da Vinci, Michelângelo e dos Médici, Florença é parada obrigatória em uma viagem para a Itália. Há tanto para ver que a vertigem é iminente. Stendhal, o escritor que passou mal ao ver tanta arte diante de si, entendeu bem isso.

Além do Mal de Stendhal, outro problema que pode lhe acometer é a ansiedade por conhecer tudo, no mínimo tempo possível. Devagar com o andor: Florença precisa de ao menos três dias para ser bem explorada e curtida. Um mundo sem fim de pinturas, esculturas, afrescos e edifícios históricos lhe espera.

Para que você possa usufruir melhor de sua estada nessa cidade fascinante, nós preparamos um guia fundamental de Florença. Anote as dicas e aproveite ao máximo!

Base para a Toscana

Florença Toscana

As belas paisagens da Toscana estão a pequena distância da cidade

Florença (e também Siena) são perfeitas como base se você pretende visitar outras cidades da Toscana. Entre as cidades em que é possível um bate-volta de trem estão Pisa, Cortona, Arezzo e Assis (sim, a terra de São Francisco). As passagens de trem saem a partir de 8 euros. Reserve pelo site da Trenitália.

Para Siena, San Gimgnano, Montalcino ou Montepulciano, o ideal é ir de ônibus. Em setembro, a passagem de Florença a Siena saiu por 7,80 euros, reservada com antecedência pela Tiemme. O terminal rodoviário fica ao lado da Estação Ferroviária de Santa Maria Novella e de lá é possível inclusive pegar ônibus para outros países, como a Romênia (60 euros a passagem).

DICA: A estação ferroviária conta com guarda-volumes. O custo de cada mala nas primeiras cinco horas é de 6 euros (90 centavos a hora adicional). É uma medida recomendável se você tem algumas horas entre o check-out do hotel e a saída de Florença. Assim, você pode visitar mais algumas atrações turísticas sem ficar carregando bagagem antes de ir embora.

Leia mais no blog:

Milão: Guia básico para viajantes

Veneza: um guia completo na cidade dos canais

Como se localizar (e se perder) em Veneza

Onde ficar
A cidade de Florença é bem compacta e quase todas as atrações estão concentradas no centro histórico e bem próximas umas das outras. Procure hotéis ou apartamentos um pouco mais distantes da Estação Ferroviária Santa Maria Novella e tente ficar próximo ao Duomo e Piazza della Signoria, onde há vários bares e restaurantes. À noite, a região é movimentada e cheia de vida.

Agora, se você quiser sossego total, a melhor pedida é procurar hospedagem nas proximidades do rio Arno. É ali que estão situados os melhores hotéis da cidade.

Veja opções de hospedagem do Booking.com em Florença

Para visitar
Como já foi dito, a maior parte das atrações turísticas estão concentradas no centro. Elas praticamente formam um único circuito e é preciso se locomover pouco para conhecê-las. Confira os pontos imperdíveis:

Duomo

Florença

O Duomo concentra parte fundamental da história de Florença e do Renascimento

Em uma cidade com pouquíssimas construções elevadas, a catedral de Santa Maria del Fiore (ou Duomo) se destaca como um gigante deitado sobre o belo centro histórico: possui 400 metros de comprimento, 153 de largura e 90 de altura. É um dos símbolos máximos do poderio da antiga república de Florença, no auge do Renascimento.

O Duomo é, na verdade, um complexo formado por vários edifícios. A igreja propriamente dita tem entrada gratuita e abriga o enorme Relógio de Ucello, que registra a “hora itálica”, um sistema de tempo que data da Idade Média.

Mas a maior atração é mesmo a gigantesca cúpula, projetada por Brunelleschi e que é talvez o maior prodígio arquitetônico do Renascimento. É possível subir até o topo e apreciar uma vista espetacular de Florença e arredores. Outro mirante estupendo é o Campanário, com seus 85 metros de altura.

A maioria das obras de arte estão no Museu dell’Opera. No entanto, o local está em reformas, com abertura prevista para novembro de 2015. A cripta (que abriga tumba de dois papas e de Brunelleschi) e o batistério também reúnem incontáveis obras de arte e estão em pleno funcionamento.

A entrada à catedral é gratuita, mas o acesso aos demais setores (incluindo a subida à cúpula) exige a compra da entrada, que custa 10 euros. Com esse bilhete (que dura seis dias), você pode visitar o museu, campanário, batistério, a cúpula e a cripta.

Igreja Santa Maria Novella

Florença

Pinturas, afrescos e altares se espalham pelas dependências da Igreja de Santa Maria Novella

Localizada em frente à estação rodoviária, é uma grata surpresa, pois tem acesso tranquilo, sem multidão e filas intermináveis, como acontece no Duomo e demais atrações de Florença. Mas não faltam motivos para visita-la. O interior da Basílica é repleto de tesouros do renascentismo, como pinturas de Giotto e Botticelli.

Além do interior da igreja, há um museu propriamente dito, igualmente impressionante, e dividido em vários setores, como as capelas Espanhola e Ubriachi, além do Claustro Verde. As pinturas e afrescos mais antigos são do século XIV, ainda na era medieval. O mesmo ocorre no Grande Claustro. A entrada custa 5 euros. A reserva pela internet é possível a grupos de ao menos 10 pessoas.

Galleria Degli Uffizi

Florença

A Galleria Degli Uffizi é um museu inebriante. Aprecie com bastante tranquilidade

Projetado para abrigar escritórios administrativos da antiga república e também os aposentos dos Médici, a Galleria Degli Uffizi é um museu espetacular, que abriga um conjunto de obras tão grande que exige vários dias para ser adequadamente assimilado.

É aqui que estão algumas das obras-primas do Renascimento, como “A Sagrada Família”, de Michelângelo, “A Primavera” e “O Nascimento da Vênus”, ambas de Botticelli. Há espaço para pintores renascentistas de outros países da Europa, como Van Dijk, Velásquez e Rembrandt, e para o chiaroscuro de Caravaggio e seguidores.

A Galleria Degli Uffizi também fornece espaço para pinturas medievais e, principalmente, esculturas da Idade Antiga, representando tanto figuras mitológicas quanto imperadores romanos. A entrada custa 8 euros e na reserva online é cobrada uma taxa de 4 euros.

Galleria Della Accademia
Fundado no século XVIII, esse museu estupendo abriga a estátua original do “Davi”, de Michelângelo (uma réplica repousa na Piazza Della Signoria, em frente ao Palazzo Vecchio). Há uma sala dedicada aos alunos de Giotto e outra com foco nas pinturas sacras medievais.

Entre outras obras impressionantes ali expostas estão dois ícones de Michelângelo. Um deles são os “Cativos”, concebidos para adornar o túmulo do papa Júlio II, mas que ficaram incompletos. A outra é a “Pietá da Palestina”. O custo do bilhete inteiro é de 8 euros.

Palazzo Vecchio

Florença

O Palazzo Vecchio, visto da Galleria Degli Uffizi: edifício chama a atenção em qualquer ângulo

O edifício concluído em 1314 abriga hoje a prefeitura de Florença e mais um museu matador, com obras de Giorgio Vasari, Bronzino e Michelângelo. A entrada é “guardada” por duas esculturas monumentais: “Hércules e Caco”, de Baccio Bandinelli, e a réplica de “Davi”, de Michelângelo. Chama a atenção, desde longe, a Torre de Arnolfo (cujo topo está a 94 metros do chão) e os brasões situados logo abaixo do relógio.

Entre os destaques em seu interior estão a bela Sala Cartográfica – com mapas de várias regiões da Europa e Ásia na Idade Média – e o Salão dos 500, projetado para abrigar o Conselho Maior de Florença e que é repleto de obras e detalhes luxuosos.

O bilhete para visitar o museu custa 10 euros, mesmo valor cobrado para subir a Torre. Um passe combinado para conhecer as duas atrações sai por 14 euros. Saiba mais sobre o local.

Pallazzo Pitti

Florença

O Palazzo Pitti abriga uma penca de museus do outro lado do rio Arno

É a única grande construção histórica de Florença situada na margem oposta do Rio Arno. Erguida no auge da república florentina, pelo influente banqueiro que lhe dá o nome, passou por diversas ampliações. Hoje, abriga o Giardino di Boboli, um parque delicioso e que nos convida a um piquenique, brincadeiras com as crianças ou mesmo a apreciar Florença de um ângulo diferente.

O Palazzo Pitti reúne uma série de museus, sendo o mais imponente a Galeria Palatina, com afrescos de astros como Tiziano e Rafael, além de nomes como Pietro da Cortona e Sebastiano del Piombo. Há ainda as Galerias de Arte Contemporânea e do Traje e os Museus da Prata e da Porcelana. Isso sem falar nos Apartamentos dos Médici, com retratos de alguns dos duques da família.

O ingresso para a Galeria Palatina custa 8,50 euros e também dá acesso à Galeria de Arte Moderna. Para o Giardino di Boboli e demais museus, a visita é possível com a compra de um único bilhete, por 7 euros (em setembro, pagamos 10 euros pela entrada. Aproveitem!).

Uma opção é o bilhete cumulativo: por 11,50 euros, é possível visitar todas as dependências do Palazzo Pitti em até três dias.

Ponte Vecchio

Florença

Acima da ponte, a passagem secreta dos Medici

Essa antiga ponte sobre o rio Arno é a mais importante ligação entre o centro histórico de Florença e o Palazzo Pitti. Atualmente, abriga uma série de pequenas joalherias e lojas de antiguidades. Sobre esses estabelecimentos há um gigantesco corredor, que liga a Galleria Degli Uffizi ao Palazzo Pitti e que séculos atrás era um caminho secreto e utilizado exclusivamente pelos Médici.

Piazzale Michelângelo
Essa praça está localizada em um elevado, do outro lado do rio Arno, e oferece uma visão espetacular do centro histórico de Florença. Para ir lá, basta pegar o ônibus da Linha 13, que passa em frente à estação ferroviária de Santa Maria Novella.

Mercado Central

Florença

Os empórios do mezanino são uma atração imperdível do mercado

Local ideal para comprar frutas, temperos e afins, o Mercado Central está a poucos quarteirões da estação ferroviária. Abriga em seu mezanino empórios supimpas, repletos de queijos deliciosos e vinhos chianti de preços variados (há rótulos ótimos a menos de 15 euros).

De quebra, está instalada uma das unidades da Eataly, famosa pelo seu conceito mercado/restaurante e domínio da cozinha italiana. Os fanáticos por futebol também podem se esbaldar na loja oficial da Fiorentina, o tradicional clube local que já abrigou craques brasileiros como Sócrates e Edmundo.

TEXTO: FÁBIO MENDES
FOTOS: ÉRICA FRANÇA E FÁBIO MENDES

Related Post

15 thoughts on “O que você precisa saber em sua primeira viagem à belíssima cidade de Florença

  1. Alessandra Ramos

    Encantada, cada vez mais encantada pela Itália! Amei a idéia da viagem de trem por algumas cidades da Toscana, deve ser maravilhoso, repleta de paisagens lindas! Sonhando em visitar um dai as galerias!!!
    Como sempre não posso deixar de elogiar o maravilhoso trabalho de informações para quem pretende viajar, vocês estão de parabéns!

    1. Érica França

      Oi, Alessandra. Brigada pela visita! Se planeje e vá sim. De fato, a Itália é um destino dos sonhos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial