Fátima: um encontro mais íntimo com Deus

Fátima

Quando a Primeira Grande Guerra devastava a Europa, dizimava exércitos e parecia não ter fim, aparições de uma santa para três pastorinhos, na cidade de Fátima, ao norte de Lisboa, trouxe, primeiramente, incredulidade à população e, depois, esperança pelo fim dos dias sangrentos.

Em 13 de maio de 1917, ao voltar da missa para casa, os três pastorinhos – Francisco, Lúcia e Jacinta e  – foram surpreendidos pela aparição de uma luz muito brilhante. Eles já haviam sido avisados por um anjo de que teriam a visita. Mas ficaram assustados, mesmo assim. A luz lhes disse que não veio fazer mal e os orientou a rezar o terço todos os dias e a voltar àquele lugar todos os meses.

Cinco meses se seguiram com as aparições de Nossa Senhora do Rosário (Nossa Senhora de Fátima). As crianças recebiam orientações para continuar rezando o terço diariamente, para não temerem que, no momento oportuno, um milagre seria realizado para que a população passasse a acreditar no que as crianças diziam. Elas contavam às famílias sobre as visões e sofriam com o ceticismo.

Em 13 de outubro, o milagre foi realizado. Durante o dia, o sol passou a dançar no céu e as pessoas tiveram medo de que presenciavam o fim do mundo. As previsões da santa se realizaram. A guerra acabou em 1918. Dois dos pastorinhos morreram poucos anos depois das aparições, conforme previra a santa.

Fátima

Ela também pediu que fosse construída uma capela em seu nome no exato lugar das aparições, sob uma azinheira (uma árvore que não existe mais no local). E assim foi feito.

A capela tornou-se lugar de peregrinação e, além dela, no local também foram construídas uma igreja com grande capacidade e uma catedral para Nossa Senhora de Fátima, onde estão hoje os túmulos dos três que tiveram as visões. A cidade de Fátima atrai pessoas de diversos cantos do planeta. Até mesmo japoneses (não me lembro de eles serem extremamente católicos) visitam a Catedral, em excursão, e tiram as habituais centenas de fotos.

Fátima não tem a beleza das cidades próximas como Batalha, Lisboa, Sintra. Mas a energia deste lugar é indescritível e não é preciso ser católico para senti-la. Durante a missa, o encontro com Deus é inevitável, a não ser, claro, que você não creia em Sua existência. Aí não vai adiantar.

Além das atividades religiosas, vale a pena visitar em Fátima o Museu de Cera. Ele conta a história das aparições e as imagens em cera são muito bem feitas. Há uma imagem do Papa João Paulo II, que era devoto de Nossa Senhora, e a imagem em cera é muito fiel.

Se você não acredita em Deus e não gosta de missas, não vá a Fátima. Mas se estiver passeando pela região de Leiria e um encontro com Deus não for te fazer mal, visite a cidade. Entregue-se e sua experiência será muito rica. Uma parada em Fátima em meio a uma viagem fantástica é revigorante, fortalecedora, estimulante. Highly recommende.

Ah, se os familiares e amigos forem católicos, invista na compra dos tercinhos. Há modelos desde 50 centavos de euro.

TEXTO E FOTOS: ÉRICA FRANÇA

Leia mais sobre Portugal no blog

Related Post

4 thoughts on “Fátima: um encontro mais íntimo com Deus

    1. kikafranca

      É? rsrsrs….tenho de comer muito feijão com arroz pra chegar lá. Estou lendo Eric Hobsbawn, acho que já é um começo pra quem gosta de história, né? Beijo.

  1. Pingback: Mosteiro de Batalha – Patrimônio da Humanidade « Viajante em tempo integral

  2. Fã nº 1

    Meu amor…não dá para descrever em palavras o que senti, mas você, consegiu fazer uma breve síntese do que é estar naquele lugar.

    Vejo que você está ficando cada vez mais craque em descrever as emoções e as situações.

    ai que saudade…vamos de novo.

    bjus

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial