Santa Maria Novella é garantia de beleza sem filas na cidade de Florença

Santa Maria Novella

A cruz pintada por Giotto dá as boas vindas a quem entra na basílica

As igrejas italianas são verdadeiros museus, repletos de obras de arte e objetos históricos raríssimos. Em Florença, o Duomo é o ponto turístico mais óbvio e está coalhado de atrações. Não tão famosa, mas também guardando muitas belezas, a Igreja de Santa Maria Novella está pertinho dali. E o que é melhor: bem menos disputada que a badalada catedral.

Se você chegou a Florença de trem ou ônibus, certamente se deparou com a Igreja de Santa Maria Novella: é aquela grande construção situada em frente à estação ferroviária de mesmo nome.

A entrada está voltada para o outro lado. Dê uma rápida caminhada e se depare com a fachada de mármore branco e verde, no mesmo padrão do Duomo e outras construções da cidade. No entanto, seu interior tem tesouros bem particulares.

Leia mais sobre a Itália

Florença pela primeira vez: um guia completo

Veneza para iniciantes: dicas gerais sobre a cidade

Como se localizar (e se perder) em Veneza

Milão: Guia básico para viajantes


Como visitar
A entrada para a Igreja Santa Maria Novella custa 5 euros e dá acesso a todos os setores. Para visita em grupo, é possível agendar pela internet, mas para isso é preciso contar com ao menos 10 pessoas.

As visitas podem ser feitas de segunda a quinta das 9 horas às 17h30; sextas das 11 horas às 17h30. Nos sábados o acesso é autorizado das 9 às 17 horas. Nos domingos, os horários mudam de acordo com a época do ano: de julho a setembro do meio-dia às 17 horas e de outubro a junho das 13 às 17h00.

DICA: Se você quiser ver apenas a basílica, tente visita-la gratuitamente às 18 horas, quando é celebrada a missa. No entanto, não é permitido tirar fotos nesse horário.

Arte gótica e renascentista

Santa Maria Novella

No púlpito projetado por Brunelleschi, foi proferida a primeira acusação de heresia contra Galileu Galilei

A atual igreja começou a ser construída em 1279, substituindo a antiga, sendo concluída apenas em 1420. A maior parte de seus tesouros artísticos e históricos data desses quase dois séculos de construção. Ou seja: estamos falando de um arquivo medieval (e gótico), bem diante de seus olhos. Mas como estamos em Florença, Berço do Renascimento, é claro que há objetos desse período também.

Logo ao entrar na nave central, nosso olhar é atraído para a enorme cruz suspensa, com desenhos de Giotto. Em seguida pode-se ver o incrível afresco Santíssima Trindade”, de Masaccio. Essa obra é uma das mais importantes no local e chama a atenção pelos oito planos de profundidade.

À esquerda, temos um púlpito projetado por ninguém menos que Fillippo Brunelleschi, o mesmo que concebeu a grande abóbada do Duomo. Conta-se que foi nesse púlpito que o frade dominicano Tommaso Caccini, em 1614, acusou Galileu Galilei de heresia por suas descobertas astronômicas.

As capelas

Santa Maria Novella

Os Vitrais de Vitrais Santa Maria Novella datam dos séculos XIV e XV

Passado o primeiro impacto da entrada, é o momento de ir às capelas, que abrigam algumas das mais belas peças da Igreja de Santa Maria Novella.

A Capela Maior é a mais impressionante de todas. Ao longe, já é possível admirar os três enormes vitrais datados dos séculos XIV e XV, com destaque para as obras “Madonna e a Criança” e “São João e São Felipe”.

Nesta e nas outras capelas estão uma série de afrescos belíssimos, que complementam o conjunto de forma harmoniosa, mesmo com o excesso de elementos. Os de Felippe Lippi contam a vida dos apóstolos Felipe e Tiago, enquanto os de Guirlandaio retratam a odisseia da Virgem Maria. Para essa obra, ele contou com o apoio de um então jovem aprendiz, chamado Michelângelo Buonarroti.

Um fato curioso chama a atenção dos mais atentos: apesar de narrar passagens da Idade Antiga, os cenários retratados nos afrescos são da Florença renascentista. Em algumas pinturas é possível ver contemporâneos de Jesus caminhando entre o Duomo e o batistério.

Outros setores

Santa Maria Novella

A Capela dos Espanhóis está apinhada de belos afrescos medievais

Saindo das dependências da basílica de Santa Maria Novella, entramos no museu propriamente dito. O acesso é pelo Claustro Verde, onde belas e altas árvores ornam a área central. Nas paredes encontram-se afrescos contando passagens do Gênesis, o primeiro livro do Antigo Testamento.

Anexo ao Claustro Verde está a Capela dos Espanhóis, construída entre 1343 e 1355 por Iacopo Talenti. O local se tornou um ponto de oração dos hispânicos por intervenção de Eleonora de Toledo, esposa do duque Cosimo de Médici. Nesse local estão belíssimos afrescos de Andrea di Bonaiuto, concluídos em 1367.

Santa Maria Novella

O Claustro Verde é um recanto de paz e tranquilidade

Vale conferir ainda o Refeitório, que conta com a versão da “Última Ceia” de Alessandro Allori, e a Capela Ubriachi, que abriga os restos mortais de integrantes dessa influente família florentina.

Por fim, há o Claustro dos Mortos, onde existia o antigo cemitério, e que hoje abriga as capelas de Sant’Anna e de São Paulo, repleto de afrescos.

Por fim, há o Grande Claustro, o maior de Florença, construído entre 1562 e 1592. Ele abre nos primeiros domingos de cada mês e em outras datas especiais. Confira o calendário completo.

TEXTO: FÁBIO MENDES
FOTOS: ÉRICA FRANÇA E FÁBIO MENDES

6 thoughts on “Santa Maria Novella é garantia de beleza sem filas na cidade de Florença

  1. Marcia

    Ahhh que lindas imagens Fábio!
    Meu sonho é conhecer a Itália, minha vó era italiana de uma cidadezinha do interior. Muito devota de seus “milhões de santos” rs
    Imagina se eu pudesse ou ela tivesse podido aproveitar um passeio turístico desse hein?
    Abraço.

    1. Fábio Mendes Post author

      A Itália era um sonho antigo. E visitá-la foi maravilhoso. Dá pra passar a vida ali fuçando tudo! Essa igreja é daquelas de se passar dias admirando tudo. Incrível!

  2. Evandro

    Essas construções medievais e góticas são de tirar o fôlego. Como é comum muitas igrejas, até mesmo no Brasil, cobrarem entradas em algumas dependências, virou “coisa” turística mesmo. Mas… nessas eu pagaria pra ver, são realmente lindas.

    atraentemente.blogspot.com

    1. Fábio Mendes Post author

      Vale a pena pagar mesmo, Evandro. E o ingresso é relativamente barato. Tem muita história lá e para quem se interessa pelo assunto, como eu, é um prato cheio!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial