Barra do Punaú: você não está sonhando

Barra do Punaú

Acompanhe o sonho. Você está sentado do lado de fora de um restaurante e bate uma brisa gostosa e preguiçosa. Está tocando uma música agradável. À sua frente, uma travessa de pintado ao molho de camarão, acompanhado de macaxeira frita (ou mandioca, dependendo do sotaque do seu sonho). Um suco natural refrescante. De um lado, dunas de areia branquinha. Do outro, um rio tranqüilo, com água na temperatura ideal para um banho. Este rio desemboca no mar e o mar também está logo ali na frente. Se você alugar um caiaque, dá pra chegar até lá tranqüilamente. Mas se você quiser mais adrenalina nas dunas, pode alugar um quadriciclo também.

Acordou? Pois é, é um sonho bom mesmo. Não dá vontade de acordar. Só de fechar os olhos e ficar neste cenário incrível. E a paisagem só vai melhorando com o passar do dia. O rio vai ficando mais caudaloso e a água que batia nos joelhos chega ao seu pescoço (neste ponto, o lugar continua maravilhoso, mas não tão seguro para as crianças, como no início do dia). A maré também sobe, já não dá para entrar no mar. E daquela duna de areia branquinha, é possível ver um pôr-do-sol estonteante, com o sol brincando de se esconder atrás dos coqueiros.

Barra do Punaú

Embora tudo pareça saído de uma fantasia, este lugar existe mesmo, é a Barra do Punaú, a cerca de 65 quilômetros de Natal, no Rio Grande do Norte. A praia pertence ao município de Rio do Fogo, uma vila de pescadores mais ao norte. Fui até lá por uma indicação do rapaz que nos alugou o carro. Ele nos orientou a fazer os mergulhos no Maracajaú (leia aqui) e depois seguir para o rio Punaú. Eu realmente imaginei, depois de mergulhar, que nada mais chamaria a minha atenção naquele dia, mas que ótimo engano eu tive.

Pela BR-101, você alcança a entrada para o local, que também tem hotel, além do ótimo restaurante. Da via principal, segue por uma estrada secundária sem asfalto, mas com paisagens belas, e entra em uma espécie de uma fazenda. Com aquela terra marrom, eu ainda estava acreditando que estava em uma roubada. Quando vi o rio (riacho ainda, àquela altura do dia, por volta das 14h), comecei a me empolgar. A vista da duna me deixou mais animada. E, depois do mergulho e com bastante fome, o cardápio e os preços amigáveis também me deixaram feliz. Barra do Punaú é fantástico.

Barra do Punaú

Gostaria de morar nas proximidades de Natal para passar um ou outro domingo preguiçoso na beira do rio Punaú. É um dos melhores programas para estes dias em que tudo que você quer é sombra e água fresca.

O restaurante, como eu disse, tem preços amigáveis. A refeição (muito bem servida) para duas pessoas, acompanhada das bebidas, saiu por menos de R$ 70. Se eu tivesse comido no restaurante do passeio de Maracajaú, teria pagado mais e provavelmente não teria comido tão bem. Fora que teria perdido a oportunidade de conhecer este paraíso que é Barra do Punaú.

TEXTO: ÉRICA FRANÇA
FOTOS: ÉRICA FRANÇA E FÁBIO MENDES

Leia também:

Mergulho nos Parrachos de Maracajaú

Forte dos Reis Magos

De bugue pelas dunas

A 25 km de Natal, o maior cajueiro do mundo

6 thoughts on “Barra do Punaú: você não está sonhando

  1. Pingback: A 25 km de Natal, o maior Cajueiro do Mundo « Viajante em tempo integral

  2. Pingback: A 25 km de Natal, o maior Cajueiro do Mundo « Viajante em tempo integral

  3. Pingback: Além do ar saudável de Natal, respire história no Forte dos Reis Magos « Viajante em tempo integral

  4. Pingback: Além do ar saudável de Natal, respire história no Forte dos Reis Magos « Viajante em tempo integral

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial