Chapada dos Guimarães, a cidade: turística, mas autenticamente rústica e deliciosa

Chapada

Igreja de Nossa Senhora de Sant’ana, na praça Dom Wunibaldo

Distante cerca de 60 quilômetros de Cuiabá (MT), a pequena cidade de Chapada dos Guimarães fica às portas da grande formação geográfica da qual emprestou o nome. Com apenas 17 mil habitantes, o município costuma servir como base para quem deseja conhecer as principais atrações naturais da região, como a cachoeira Véu da Noiva.

Para chegar à cidade, vindo de Cuiabá, percorre-se a rodovia Emanuel Pinheiro (MT-305), que corta justamente o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Ou seja: antes mesmo de chegar à cidade já é possível se embasbacar com as belíssimas formas das montanhas e vales desta região. A rodovia, totalmente pavimentada e duplicada em metade do trecho, serpenteia por entre as elevações, permitindo alguns pontos de visão interessantíssimos.

A pequena cidade surge no campo de visão aos poucos, com os primeiros bairros espalhados pela rodovia. Por ser ponto de partida para vários passeios na Chapada dos Guimarães, ela tem forte vocação turística, com muitas pousadas. No entanto, ela não tem aquele aspecto “charmoso” de lugares como Tiradentes (MG) ou Campos do Jordão (SP). Ela é mais autêntica e isso a torna especial.

Chapada dos Guimarães conta com alguns locais para locação de bicicletas e isso é ótimo para quem deseja passear pela região. As mais simples têm diária a partir de R$ 40. Para quem busca alto desempenho, há opções mais sofisticadas, que custam R$ 70 ao dia.

Chapada

Apesar de turística, a cidade mantém sua autenticidade

Sua região central é muito aprazível, com suas lojinhas de artesanato, bares e restaurantes convivendo ao lado dos estabelecimentos não-turísticos, estes voltados à população local. A praça Dom Wunibaldo concentra esses dois universos de forma harmoniosa. Repleta de árvores altas e de copa generosa, nela está localizada a pequena Igreja de Nossa Senhora de Sant’ana, construída em Chapada dos Guimarães no século XVIII e reformada por diversas vezes desde então.

O tempo parece parar na cidade de Chapada dos Guimarães e o fato de o relógio da praça central marcar sempre o mesmo horário só reforça essa impressão. Caminhar por suas ruas é estar em dois lugares em um só, um lugar turístico e uma vila pequena e tranquila.

TEXTO E FOTOS: FÁBIO MENDES

Leia também:

Cuiabá: pequeno manual

Chapada dos Guimarães e cachoeiras

6 thoughts on “Chapada dos Guimarães, a cidade: turística, mas autenticamente rústica e deliciosa

    1. Fábio Mendes Post author

      Essa cidade é muito legal, ótima para servir como base para os passeios, mas gostosa também para caminhar pelas ruas. Abraços!!!

  1. Erica Oliveira

    Meu morre de vontade de voltar na cidade comigo e minha mãe, ele conta que é essa impressão que ele tem mesmo rs o tempo literalmente para (em todos os sentidos rs). Mas ele afirma que é uma das melhores cidades que ele visitou até hoje principalmente se a pessoa gosto de andar pelo meio do mato rsrs

    1. Fábio Mendes Post author

      Eu adorei a cidade! Ela é muito gostosa e, mesmo um tanto parada, tem coisas para se fazer. E é uma ótima base para visitar a Chapada propriamente dita!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial