Castelo de São Jorge: história em estado bruto

Castelo de São Jorge

Há muita História pelas ruas e bairros de Lisboa e você pode notá-la no ar e certamente ao caminhar pelo centro da cidade. Pelas ruas, você avista os prédios históricos próximos a você e percebem também aqueles ali no alto. A vontade de chegar àquele local e desvendar o monumento é o que move os turistas a visitarem o Castelo de São Jorge, imponente e visível a partir da área central e de uma das principais praças da região, o Rossio, ou praça Dom Pedro IV (o nosso Pedro I).

Caminhe um pouco até a Praça da Figueira, uma quadra atrás da do Rossio, e pegue um eléctrico (ou bonde, como preferir). Pode ser o 12 ou o tradicional 28. A passagem custa 1,30 euro. Ao descer no ponto indicado, você já terá uma bela vista do rio Tejo e das partes mais baixas da cidade. Este é apenas o começo. O miradouro (o nosso mirante, no português de lá) do Castelo de São Jorge te garantirá uma vista linda e ampla da cidade. Você conseguirá identificar o Rossio, a Câmara Municipal e outros pontos importantes.

Castelo de São Jorge

Vista de Lisboa a partir do miradouro do Castelo

Castelo de São Jorge

História
O Castelo de São Jorge é um Monumento Nacional desde 1910 e não é difícil entender a razão disso. O lugar é lindo e remonta há séculos atrás, com importância histórica e arquitetônica. Teve influência moura e fez parte da história do país ibérico.

Castelo de São Jorge

Os vestígios mais antigos de ocupação do local remontam ao século VI, época em que provavelmente havia ali um povoado fortificado.

A existência de um castelo data do período entre os séculos X e XI, quando Lisboa era uma importante cidade portuária sob domínio muçulmano.

Em 1147, o primeiro rei de Portugal, Dom Afonso Henriques, conquista o Castelo e a cidade que era dominada pelos mouros. Entre os séculox XII e XVI, o local atinge seu auge e é transformado em Paço Real, ganhando novos espaços para servir ao rei e à Corte.

Com a transferência da residência real e da corte para a baixa da cidade, os terramotos de 1531 e 1755, o Castelo foi se descaracterizando.  

 No século XX, para nossa sorte, ele foi sendo redescoberto e algumas intervenções o deixaram da forma como é hoje, imponente, belo e cheio de informações sobre a ocupação no topo da colina.
O ingresso para visitar o Castelo custa 5 euros. Tire pelo menos parte do dia – manhã ou tarde – para caminhar sem pressa pelo Castelo. Aproveite os Miradouros e suba nos muros para olhar para fora do Castelo e imaginar como era feita a defesa deste monumento, como era possível avistar o inimigo vindo ao longe, por terra ou mar.

Castelo de São Jorge

 

TEXTO E FOTOS: ÉRICA FRANÇA

Leia outros textos sobre Portugal no blog

13 thoughts on “Castelo de São Jorge: história em estado bruto

  1. Pingback: Óbidos: experimente a vista de dentro e de fora do Castelo « Viajante em tempo integral

  2. Pingback: Mosteiro de Batalha – Patrimônio da Humanidade « Viajante em tempo integral

  3. Adérito Vieira

    Pois a mim não me apanham lá, não se admite que um Património Nacional, na Capital Nacional, discrimine os cidadãos não residentes, sendo que estrangeiros que residam na Cidade têm mais direitos que um cidadão nacional não residente.

  4. Adérito Vieira

    Pois a mim não me apanham lá, não se admite que um Património Nacional, na Capital Nacional, discrimine os cidadãos não residentes, sendo que estrangeiros que residam na Cidade têm mais direitos que um cidadão nacional não residente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial